terça-feira, 29 de julho de 2014

AINDA SOBRE O HAITI!

Li um artigo escrito pelo pr. Gilvan Barbosa (PIB de Teresina, PI) em que ele defendeu que nossas igrejas no Brasil têm perdido o sentido de "igreja em missão" para o paradigma da "igreja em reunião".  Como já venho pensando na necessidade de uma mudança de foco em nossa mentalidade de igreja, essa visão me despertou uma reflexão numa proposta de igreja fora dos portões. Fico a pensar como seria se um dos nossos cultos mensais fossem feitos nos lares, com convites aos não crentes, numa abordagem de interação e empatia com as pessoas, sem qualquer preocupação evangelística, apenas no interesse pela vida das pessoas. Como seria?

Estou escrevendo esse artigo no vôo de saída do Haiti, em direção ao Brasil, e aqui neste pais caribenho (o mais pobre das Américas) tive uma experiência em que Deus falou profundamente comigo. Em 2010 tive a oportunidade de visitar um acampamento formado por desabrigados do trágico terremoto que vitimou cerca de 250 mil pessoas e arrasou 80% da capital, Porto Principe. Naquela ocasião, fiquei tremendamente perturbado quando visitei um família que mesmo naquela situação destroçada enfrentou outro drama: havia chovido e eles perderam a tenda de lona que os abrigava. Meu coração apertou-se por não poder fazer nada!

Agora, quatro anos após esse episódio, programei junto com o pr. André (missionário dos batistas brasileiros no Haiti) uma visita a um outro acampamento, formado integralmente, em suas mais de 300 tendas de desabrigados, ainda do terremoto de 2010. Inicialmente, hesitei em voltar a viver mais essa experiência de impotência diante da tragédia, e o Senhor falou comigo fortemente: "quem disse que você tem de fazer alguma coisa para resolver o problema daquelas pessoas do acampamento, olha, eu quero apenas que você esteja entre elas!". Fiquei tocado com a voz do Senhor, e confessei o meu pecado de auto-suficiência por pensar que eu poderia fazer alguma coisa. E fui, apenas para me identificar com os mais empobrecidos dentre os pobres haitianos.

E eu que, já havia lido e pregado bastante sobre o importante princípio da identificação como uma ponte de acesso ao coração do outro, aprendi a lição de que na prática as pessoas não querem somente a solução imediata de seus dramas, elas precisam ser inicialmente (e algumas vezes, unicamente) serem tocadas. Estivemos em nossa caravana de 15 pessoas tocando, sorrindo, orando, liberando uma palavra de esperança sobre aquelas pessoas. Eu confesso que naquela manhã ensolarada eu preguei o meu maior sermão. Eu preguei a mim mesmo.

Por isso que, voltando ao modelo de "igreja em missão" que precisa superar o de "igreja em reunião", precisamos vencer nossas barreiras que nos impedem de chegarmos às pessoas. Erigimos muros de contenção com nossos cultos pré-programados, musiquinhas idiotizadas e mensagens humanistas travestidas de princípios de autoajuda. E por conta desses muros, as pessoas não são vistas como prioridades de nosso amor e atenção, pois estamos ocupados demais azeitando nossas máquinas denominacionais. Tenho para mim que, se Jesus estivesse em nosso meio ele estaria mais fora do que dentro dos nossos templos. 

É apenas um palpite, mas essas idéias todas aqui nesse espaço poderiam gerar uma séria discussão em nossas igrejas e seminários.

Por enquanto é só.

Um comentário:

Rosangela Mello disse...

Igreja em Missão,com certeza seria o que Jesus faria.