quinta-feira, 15 de setembro de 2011

O MUNDO É UM JARDIM DO INIMIGO?

"Sujeitai-vos, pois, a Deus; mas resisti ao Diabo, e ele fugirá de vós". (Tiago 4.7)

Acabei de ler (e publicar, como faço sempre com os comentários nesse blog) um comentário virulento em minha postagem sobre a Angra Expo que não me abalou porque como diz o apóstolo Paulo, "eu sei em quem tenho crido". Mas, me parece que há um descompasso emocional em crentes que não permitem críticas de seus eventos ou líderes prediletos, eles são cegos em relação aos seus erros, equívocos e inclusive, heresias. Com isso defendem ardorosamente seus nomes prediletos como se fossem verdadeiros semi-deuses. Numa rede social que participo fiz um comentário (admito, jocoso) do Silas Malafaia, e quase fui incinerado, disseram até que eu deveria cuidar mais da minha vida! Ufa! Quanta limitação de mente! Eu creio que o único inerrante é o Senhor Jesus, e a Ele é quem devemos imitar, agora homens (Malafaia, Feliciano, Valnice, Terra Nova, André Valadão, dentre outros) todos eles precisam estar sob o peso de observações críticas e pontuais, sempre utilizando a Bíblia Sagrada como referência de padrão de verdade.

O tema acima, é uma provocação em relação à peça que nossa cidade receberá na FITA (Feira Internancional de Teatro de Angra dos Reis) nesses próximos dias, denominada "O Jardim do Inimigo". Eu assisti a peça, e quero fazer algumas pontuações. No Wikipédia há um resumo da peça e também alguns dados da produção, que eu transcrevo aqui:

"O Jardim do Inimigo é uma peça teatral realizada pela companhia de teatro Jeová Nissi, foi apresentada pela primeira vez entre os anos 2000, é vista e conhecida por muitas regiões do Brasil e muito comentada entre as igrejas evangélicas, posteriormente foi lançada em DVD em 2007. Foi escrita, dirigida e protagonizada por Caique Oliveira que é o fundador da companhia.
Possui o tema abordando vários fatos que acontecem em relações humanas e cristãs, como violência doméstica, uso de drogas, prostituição, miséria, pobreza, descompromisso com Deus e a igreja. O texto é narrado pelo personagem principal, dito como o Acusador, o Diabo (Caique Oliveira), que acusa todos aqueles que seguem o caminho pecaminoso de uma forma sarcástica e entretida com Humor Negro. Apesar de ser um drama trágico-impactante foi aceito pelos mais diversos publicos e idades, O teatro é feito para jovens e segue uma linha de humor e drama."
 
Diante dessa apresentação e à luz do que eu vi, posso dizer que a peça é um desserviço ao evangelismo. O autor (que é o personagem principal, praticamente em forma de um monólogo aterrorizante) faz apologia aos estratagemas do Diabo, colocando-o como responsável absoluto de todas as desgraceiras da vida, e com tentáculos inclusive no seio da igreja evangélica. O tom é de um sarcasmo irreverente, e sem nenhum cuidado em não "carregar demais nas tintas" o nosso arqui-inimigo é apresentado em cores tão atraentes que os incautos vão desejar servi-lo ao invés do próprio Deus.

É incrível como a teologia protestante brasileira se vê em confusão a respeito do Diabo. Digo isso porque é sabido que as igrejas (sobretudo pentecostais e neo-pentecostais) dão um cartaz promocional a Ele a cada culto, creditando-o todos os erros, abusos e irresponsabilidades que ao invés de serem assumidas são tercerizadas para o Diabo e seus demônios, isso posto porque é mais fácil espiritualizar tudo e demonizar nossas fraquezas do que assumi-las diante da Cruz de Cristo na confissão sincera de nossos pecados. Em muitos cultos de libertação o Diabo possui  lugar de destaque, pois todas as vicissitudes da vida são atribuidas a ele. Parece-me que há o desconhecimento da podridão que é o coração humano em sua capacidade desmedida de fazer grandes males e de provocar tragédias insondáveis no mundo.

Não estou com isso, dizendo que o Diabo não está ao nosso derredor (I Pedro 5.8), ou ainda que o mundo não jaz no maligno (I João 5.19), ou ainda que ele não seja o pai da mentira (João 8.44). Longe de mim ser um "advogado do Diabo". Creio que ele é a única criatura do universo que não devemos esperar nenhuma possibilidade de salvação, mas não posso deixar também de afirmar categoricamente que ele é servo de Deus. Sim, o Diabo é um súdito do Reino de Deus, uma vez que ele não pode fazer absolutamente nada sem a permissão do Senhor. Lembra-se do episódio ocorrido na vida de Jó, e como Satanas precisou da permissão do Senhor para tocar em sua vida (Jó 1.12). É importante também recordar que, quando da tentação de Jesus, o Diabo foi colocado em seu devido lugar, apenas na citação pura e simples das Escrituras, três vezes pelo Senhor Jesus: Mateus 4.4; 7, 10.

Não podemos de maneira alguma compreender esse mundo (criado pelo Senhor com requintes de criatividade), que de acordo com o Salmo 24.1 pertence a Deus como "um jardim do inimigo", isso é heresia das mais hediondas. O mundo é de Deus, ele jaz no maligno em seus valores pervertidos por ocasião da queda do homem, agora o jardim do Eden (em simbolismo vivo, representando o lugar de deleite da presença de Deus) não se transformou em palco onde Satanás (o outro nome de Diabo) se tornou ator principal! Absolutamente! Quem continua ditando as regras nesse mundo é o Senhor. Gosto de afirmar e reafirmar isso categoricamente: Não há outro Senhor no céu e na terra!

Quando o famoso evangelista Billy Graham esteve no Brasil nos anos 60, foi lhe proposto sair em carro aberto para saudar a população do Rio. Ele secamente respondeu: "Deus não divide a sua glória com ninguém". Fico a pensar sobre o propósito de uma peça (dita evangélica) que atribui tanta glória ao Diabo que deixa sem dúvida, o espectador assustado, mas não mais temente ao Senhor! Quero terminar dizendo que a peça causa sim, assombro pelo Diabo, pelo Inferno, mas não provoca honra ao Criador, pois mesmo na confissão de pecados secretos há muito mais "pena de si mesmo" do que reconhecimento sincero que Deus é tudo em todos, e não levará ninguém ao céu por temor ao inferno! Termino com uma frase que gosto muito:  "não é o temor do Inferno o que me há-de levar ao Céu; o Amor de Quem lá Se deixa ver e gozar, sim."

Tenho dito. E não verei e não recomendo a peça "O Jardim do Inimigo".

9 comentários:

Angélica Fonseca disse...

Muito boa a postagem Pr.
Sempre achei esse tipo de peça uma inversão.
Gosto muito mais de falar de Deus do que do "Inimigo".
Além do quê, essa peça já está tão "batida", já que em todas as igrejas foram apresentadas, que nem vale o entretenimento.

Abração

JIL disse...

Que a Graça e A Paz do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo esteja conosco.
Muito aropriada e direta esta mensagem, da qual corroboro totalmente. Gostaria de indicar um livro do nosso irmão em Cristo Russell P.Shedd, onde vemos a indicação dos "elementos" que provocam nosso distanciamento de Deus, ou seja, o pecado. Sabemos que as Escrituras Sagradas - a Santa Palavra de Deus - por si mesma se comprova, entretanto, vejo de muita valia ler esta obra, entitulada O MUNDO, A CARNE E O DIABO.
Tenha uma semana abençoada.
Junior da Isabel

JIL disse...

Que a Graça e A Paz do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo esteja conosco.
Muito aropriada e direta esta mensagem, da qual corroboro totalmente. Gostaria de indicar um livro do nosso irmão em Cristo Russell P.Shedd, onde vemos a indicação dos "elementos" que provocam nosso distanciamento de Deus, ou seja, o pecado. Sabemos que as Escrituras Sagradas - a Santa Palavra de Deus - por si mesma se comprova, entretanto, vejo de muita valia ler esta obra, entitulada O MUNDO, A CARNE E O DIABO.
Tenha uma semana abençoada.
Junior da Isabel
p.s.: escrevo concordando amplamente com suas palavras, entretanto devo informar (sem demagogia) que já comprei os ingressos desta peça.

Douglas Soares disse...

Graça e paz.

A propoposta da peça é evangelizar ou mostrar as flores negras em que o diabo tem semeado, na igreja e no mundo?

por um mundo sem preconceito disse...

Bem, a peça "jardim do innimigo" não me atrai mesmo porque com relação a teatro eu tenho ótimo gosto.agora medo do Diabo,? eu nunca tive e sim do homem...por mais evangélicos que sejam.

Rodrigo Pereira disse...

Acho que querem promover o reino errado!...rs... Espero que as mais variadas modalidades de arte cristã não repitam os erros grosseiros e teológicos cometidos na música gospel.

deieguinho disse...

Infelizmente é uma pena que vcs desconheçam quantas almas tem sido salvas através dessa Cia.

Familias estão sim com esses problemas, dentro das igrejas, as igrejas, Neo e Pentencontais, sofrem sim com esses problemas falados no Dvd e na Peça.

A realidade as vezes mostrada,gera intolerancia, acredito que devemos orar, e cada um fazer a obra da maneira que Deus mandou amando o nosso proximo.

Oremos então pela vida do ´´inimigo´´ (Caique Oliveira); paera que Deus o ajude, e para que ele tenha papeis que mova o Brasil com um poder sobrenatural!

O amor é entre todos os dons, o que mais devemos exercer. Creio tremendamente nisso.
A arte está esquecida, em um canto em muitas igrejas.

Renata Belfi (Estudante,amante da Arte, 8 anos de teatro, 5 anos de palhaça, 5 anos de direção de Arte)

Anônimo disse...

Concordo! Mas tbm morro de rir com cada comentário aqui. Quanta hipocrisia!
A peça trata uma realidade nas igrejas e que devemos abrir nossos olhos espirituais. Pois é dessa forma que o diabo trabalha. Não existe igreja perfeita, mas tbm todos os lideres de todas as congregações devem ocupar suas cabeças em cuidar das ovelhas ao invés de ficar apontando os erros. Pois enquanto apontamos nossas próprios congregações estão cheias de pessoas que vivem de máscara e que estão a um passo do inferno. Digo com convicção que essa geração é uma geração fraca moralmente, espiritualmente,etc...só querem saber de desfrutar dos prazeres da carne, e rejeitar tudo aquilo que que Deus colocou que fizesse portanto é ridículo questionar uma obra feita por essa peca, abra os olhos espirituais e enxerguem o obvio do que a igreja ta vivendo hoje. Essa peça é sim algo confirmado por Deus e as pessoas tem a coragem de dizer ou achar defeito. "Por isso que tudo que é de Deus o inimigo procura inverter ou críticar" agora entendo!,

Anônimo disse...

Vi a peça no youtube e depois comprei o DVD original. O autor deste post diz "Não Vi e não recomendo"... como ele pode não recomendar se ele não viu?

Eu recomendo atenção ao assistir, pois como tudo que se faz nas igrejas, também na peça há exageros...

Estou pensando em exibir com alguns cortes, como por exemplo a crítica à mulher que ora a Deus par ter um marido. Que mal há nisso?

Vou cortar também a cena mais chocante, que é a parte em que a Mendiga come vômito.

Vou cortar todas as cenas em que o protagonista pára a encenação para orar ou "descarregar-se" da personagem. Isso é um peça, não é o Diabo mesmo que está falando através dele.