domingo, 9 de maio de 2010

A OBEDIÊNCIA É A MÃE DA BENÇÃO!

“Filhos, o dever cristão de vocês é obedecer ao seu pai e à sua mãe, pois isso é certo. Como dizem as Escrituras: Respeite o seu pai e a sua mãe. E esse é o primeiro mandamento que tem uma promessa, a qual é: Faça isso a fim de que tudo corra bem para você, e você viva muito tempo na terra”. (Efésios 6.1-3)

A impressão que eu tenho às vezes é que algumas famílias são verdadeiros "ringues de batalha" onde vence quem usa de artifícios mais cruéis de dominação e de força. Falta amor, respeito e compreensão no seio familiar de algumas casas que já deixarem de ser à muito tempo "lares" (do latim "lare", lareira, lugar mais quente). Falta afetividade no ambiente familiar e como resultado desse quadro caótico temos cenas como a que vemos nos telejornais diariamente: a morte de jovens desgarrados de toda e qualquer referência do que seja a benção paterna. Não é a toa que existe um provérbio nórdico que diz que “a bênção dos pais funda a casa dos filhos”.

Temos de prestar atenção ao que o texto nos diz em uma versão mais conservadora: "Filhos, obedeçam a seus pais no Senhor, porque isso é justo". E isto implica em uma aliança que você mantém com o próprio Deus. Quando você desobedece aos seus pais, você rompe uma aliança com o próprio Deus. Porque você precisa ser obediente “no Senhor”. Ser obediente "no Senhor" é atender ao princípio de submissão espiritual à primeira autoridade estabelecida por Deus ao ser humano, a saber, ao seu pai e à sua mãe.

Fico a imaginar: quantos filhos e filhas fraudolosamente presenteiam suas mães neste domingo chuvoso enquanto mantém o seu coração distantes de toda a orientação familiar? Quantas mães desejariam menos rosas e presentes e mais obediência e honra! Aprenda que você só tem a ganhar sendo obediente. Tomás de Kempis, um monge alemão que viveu no sec. XV, disse em sua clássica obra “Imitação de Cristo”: “ninguém seguramente manda, senão o que perfeitamente aprendeu a obedecer”.

Deus é muito sábio, e nos colocou em um ambiente familiar para colocarmos as prioridades em dia na nossa vida. Na “honra” aos pais, nos preparamos para o conceito de honra aos outros e a nós mesmos. Quando penso em honra aos pais que desemboca em honra para com todos os outros humanos, me pego pensando na selvageria com que temos travados nossos relacionamentos. O mundo está se ‘idiotizando” e ‘animalizando-se”. Concordo com o falecido professor Paulo Freire que disse que “a grande força sobre que se alicerçar a nova rebeldia é a ética universal do ser humano e não a do mercado, insensível a todo reclamo das gentes e apenas aberta à gulodice do lucro.”

Mais o que temos visto hoje em dia é essa "animalização" dos filhos que só sabem viver em desarmonia e com um espírito de rebeldia que cresce à medida em que o pecado vai sendo alojado no coração dos jovenzinhos. Não se torna repetitivo lembrar que o pecado tem como essência a rebelião e foi isso que precipitou Lúcifer dos céus, transformando-o no Diabo, o nosso adversário, conforme nos prescreve o texto de Isaias 14.12-14.

Essa situação de rebeldia contínua no coração dos filhos desobedientes pode ser ilustrada na seguinte história: Em vilarejos distantes do Ártico, os nativos Inuit têm uma forma inusitada de atrair e matar lobos. Eles pegam uma faca de caça e a cobrem com sangue. Quando o sangue congela, colocam mais uma camada de sangue e assim sucessivamente. Depois e estar coberta por diversas camadas de sangue, a faca é fincada no chão com o cabo para baixo, deixando a ponta à mostra. Atraído pelo cheiro de sangue, o lobo encontra a faca e começa a lambê-la. O animal está obcecado pela idéia de comer sangue que não se dá conta de que a faca começa a cortar sua própria língua. O banquete é tão delicioso que ele não percebe que o sangue que está consumindo é o seu próprio. O lobo acaba morrendo, sangrando até a morte, sem jamais perceber que o instrumento que o levou à morte foi seu próprio desejo.

Um comentário:

acdudas disse...

"E vós, pais, não provoqueis à ira a vossos filhos, mas criai-os na doutrina e admoestação do Senhor"
Efésios 6.4

abraços!