terça-feira, 11 de março de 2008

O QUE LEVA ALGUÉM A NÃO QUERER A CRISTO? João 5.40-47

Na realidade sempre houve uma questão que incomoda o coração de todos aqueles que um dia foram atraídos a Cristo. Por que ainda existem pessoas tão insensíveis a ponto de fazerem pouco caso do chamado de Cristo e, através de seus coração duros ainda insistem em não vir a Cristo para terem vida?

O texto de João acima citado é contundente na crítica a homens e mulheres que não querem vir a Cristo, mesmo com os testemunhos irrefutáveis que Cristo alista como evidências de sua missão de salvar pessoas da ira de Deus: o próprio Pai, João Batistas, as obras milagrosas e as Sagradas Escrituras.

Mas Jesus de modo lacônico diz: "mas não quereis vir a mim para terdes vida!". Coisa triste em nosso tempo é que vivemos em uma geração que descartou a Deus.

As pessoas estão em busca de "energia divina", mas fogem de um relacionamento estreito com Deus. Infelizmente talvez nunca tenhamos vivido em um tempo na história em que as pessoas saibam mais sobre Deus, e ao mesmo tempo correm de um relacionamento com Deus. Isso faz diferença! Martin Lloyd Jones um dia fez a seguinte crítica: "Nunca fomos mais cavalheiros, nunca fomos menos piedosos do que hoje. Nunca antes o homem foi tão honrado, e nunca foi menos santo do que hoje. Quanto mais o mundo se admira a si mesmo, menos ele venera a Deus. Quando mais se maravilha diante do progresso do homem, menos ele louva a Deus."

Há em nosso meio pessoas (você deve conhecer um grupo considerável) que super-enfatizam o seu próprio eu, ao invés de buscar o Deus que dá sentido à vida. Gente que não tem um conceito correto acerca de si mesmo, e por isso encontra-se impedido de se relacionar com Deus. Enquanto você estiver se sentindo bem consigo mesmo, na leitura de livros de auto-ajuda, na frequencia esporádica a uma igreja evangélica, na prática de um vida com bom comportamento, na cegueira de uma auto-justiça você sempre se encontrará distante de Deus. Parece estranho mais quanto mais perto estamos da consciência de nossa miséria, mais perto estamos de obtermos acesso ao amor de Deus.

Charles Spurgeon disse certa feita: "As mais excelentes jóias que um santo jamais pode usar neste mundo, se forem jóias de sua própria feitura, não serão jóias de primeira qualidade." Temos a necessidade de nos humilharmos diante de Deus, nunca suplicando glória para nós, mas sim clamando por misericórdia. Por isso Jesus vai dizer no nosso texto: "Como podeis crer, vós que recebeis glória uns dos outros e não buscais a glória que vem do único Deus?".

Agora uma fala penetrante de Jesus no texto que estamos examinando é o espaço que ele dá acerca da incredulidade. Tenho crido que a incredulidade é a mãe de todos os outros pecados. É a obstinação de, a despeito de todas as provas possíveis, não crer, pura e simplesmente virar as costas e cimentar o coração de uma forte resoluação de não crer.

Jesus comentou nos versos finais aqui desta porção (versos 45 a 47) que Moisés estaria condenando aqueles judeus ortodoxos. Até hoje temos sabido que o testemunho das Escrituras tem apontado para Cristo. Temos visualizado nas Escrituras Sagradas um firme testemunho do Senhor Jesus. Deuteronômio 18.15 encontramos as seguintes palavras relacionadas à Cristo: "O Senhor teu Deus te suscitará um profeta do meio de ti, de teus irmãos, semelhante a mim".

Não temos por onde correr! As Escrituras do inicio ao fim apontam para o surgimento do Mediador por excelência, aquele que, segundo a carta aos Hebreus, seria fiador de um pacto excelente (Hebreus 7.22). As Escrituras revelam sobre quem é Jesus, e também servem de confrontação à nossa insistência em vivermos a vida sem absolutos. Interessante é que, temos precisado afirmar a autoridade da Bíblia como referencial para nossa vida diária, afinal de contas a Bíblia não é um livro de sugestões, estímulos e princípios que nos fazem sorrir apenas. Temos que suportar a dureza das letras da Bíblia quando ela nos condena, nos chama a atenção, nos corrige e nos repreende severamente. A Bíblia não é um livro de "faça o melhor" e sim, um livro de "faça o que deve ser feito"!

Uma observação que eu não poderia deixar de fazer a você neste inicio de semana é: acerca de Cristo, pare de ser escravo das opiniões dos outros. Seja um cristão autêntico que se encontra preparado para o encontro com Jesus na eternidade! Creio que a Vinda do Senhor Jesus está bem próxima. Já consigo visualizar os sinais que para mim são claros e evidentes. É preciso que tenhamos a consciência de que temos sim de purificar nossas mentes cada dia mais com a firme consciência de que, Ele poderá voltar ainda hoje. Eu tinha um pastor há quinze anos atrás que dizia ao fim de todos os cultos: "viva o dia de hoje como se Cristo voltasse amanhã". Concordo com ele, e com o coração cheio de temor por Deus lhe exorto a viver também assim. Que cuidados maiores teremos se observarmos esse principio. Concorda?

Termino com uma frase de Martin Lloyd Jones: "Enquanto voc~e se contentar em enganar os outros a respeito de quem você é, nunca enfrentará a si mesmo, e enquanto não se enfrentar a si mesmo com sinceridade e honestidade, jamais sentirá a necessidade de ter o Senhor Jesus Cristo como seu Salvador".

Que Deus encaminhe o seu coração para a verdade, e que você queira vir a Cristo para salvação e para preservação de sua vida, até a Vinda de Jesus quando habitaremos com Ele eternamente, nos livrando desse mundo que tem poucos motivos de louvor e muitos de horror!

Um comentário:

Victor Almeida disse...

A Paz,

Gostei muito do artigo pastor, sempre que puder estarei aqui lendo alguns textos.

Em Cristo.