quarta-feira, 26 de novembro de 2014

ESTOU DEIXANDO O FACEBOOK

"Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai". (Filipenses 4.8)

Comecei essa semana pensando muito sobre o uso das redes sociais pelos cristãos de modo geral, e mais específico em meu contexto pastoral. E, confesso que fiquei entristecido. E, fiquei pesaroso no fato de que, muito provavelmente eu tenha entrado em um processo de embrutecimento pessoal. Explico: são tantas situações, fotos, noticias, exposições, declarações e pontuações diversas que exigiriam uma resposta mais rápida e contundente da minha parte que, às vezes em que me posiciono quase sempre sou mal compreendido devido à frieza das letras sem sons e sabores.

Dai tomei uma decisão: vou me livrar aos poucos do mundo virtual para me concentrar mais no mundo real. Algumas pessoas são leões no facebook e gatinhos no mundo real, e refiro-me aos bichanos não como símbolos de fragilidade, mas de covardia mesmo. O fato é que nesses anos de uso no facebook fiz muitos amigos e alguns inimigos, mas não somei na minha condição de ser humano. E isso é bem pessoal.

Quero ter um contato mais real com minhas ovelhas, mesmo sabendo que algumas delas no mundo virtual desconsideram o que ensino no mundo real. É uma lástima o fato de que nossos crentes permitem-se contaminar com conceitos espúrios ao evangelho isso em forma de imagens, músicas, vídeos e sobretudo, ideologias. O recomendado pelo apostolo Paulo não tem sido seguido à risca..."o que também aprendestes, e recebestes, e vistes em mim, isso praticai..." (Filipenses 4.9).

No facebook eu soube de coisas que não gostaria de saber, vi coisas que não gostaria de ver, e sobretudo, me informei junto com o mundo aquilo que gostaria de que você partilhado em privado. Fui invadido pelo mundo, e essa sensação de ter sido roubado das pessoas e confundido com o todo, me deixou órfão de mim mesmo.

Saio sim, para me desconectar desse mundo de fantasias, de poses sensuais e de frases melosas, para me dedicar mais ao olhar nos olhos das pessoas, mesmo aquelas que desviam o seu olhar. Não farei mais contatos via "messenger", pois desinstalei também. Agora só o telefone (que ainda manterei o wattsapp, pois lá ainda posso falar e ver a pessoa em tempo real, e me explicar diretamente quando não sou bem compreendido) usarei, e incentivarei a conversa ainda mais intima, aquela que compartilha o coração e os sentimentos mais íntimos escondidos na alma humana.

Cansei da falsidade virtual, das "curtidas" e "comentários" que vez por outra me magoaram pois me fizeram repensar quem eu era ou o que era para eu fazer. Minha identidade está relacionada à minha missão, e tudo parece claro e simples para mim: "quero marcar vidas com a vida de Deus".

E, infelizmente, isso é para mim, não pretendo criar moda de nada, o mundo do facebook não é o espaço da verdade, é como poderia dizer John Bunnyan, uma "feira de vaidades".

Estou fora. Darei apenas alguns minutos de sobrevivência para tratar dos últimos suspiros dessa minha modesta contribuição.

A todos, os de perto de longe, preservo meu email pessoal (ezequiaspastor@gmail.com), meu celular com wattspapp (24 974015079). E digo que manterei meu blog como minha tribuna virtual, e a divulgação dos artigos será feito pela página institucional no facebook de nossa igreja, que a propósito não é administrada por mim, mas pela nossa secretaria.

Adeus Facebook. Quero ser livre!

Um comentário:

Ulisses Pereira disse...

Não me surpreende sua saída! A estranheza da vida virtual está na palavra lançada: ela não só não volta,mas quando volta,volta contaminada.A ausência do olho no olho,pode brutalizar o que seria suave,se desenvolvido num bate-papo.Divergimos ideologicamente,mas trilhamos o mesmo caminho:o Evangelho.Sentirei falta do senhor por aqui amado Pastor.Paz e Graça.