terça-feira, 3 de dezembro de 2013

SOU CONTRA PASTORA EM NOSSA DENOMINAÇÃO... ME RESPEITA?

Me parece que anda cada vez mais difícil ser contra a alguma coisa em nosso meio evangélico. Entre os pastores, a partir de "listas de discussão" tudo parece ser muito monolítico, a opinião frágil da maioria rouba de cena os "senões" de uma minoria. Quer ver um exemplo: a questão das pastoras no meio batista!

Para você que não faz parte de nossa denominação e está por fora dessa discussão, vou tentar lhe situar: o fato é que já temos no Brasil pouco mais de uma centena de mulheres que foram consagradas "pastoras" em suas igrejas, e uma discussão bastante atual é se elas poderão fazer parte de nosso órgão de classe, que denominamos "Ordem dos Pastores Batistas do Brasil". Só ai já há um contrassenso, se são "Pastores Batistas do Brasil", agora terá de ser: "Pastores e Pastoras do Brasil", uma vez que um grupo conseguiu acesso à instituição por conta de uma deliberação truncada em uma das Assembleias da Ordem.

O fato é que não se discute a autonomia de uma igreja batista local de consagrar quem quer que deseja para o ministério pastoral, isso é assunto passivo. O que se quer trazer à baila é que, como a igreja não consagra nenhum ministro (ou agora, "ministra") para si mesma, mas sim para a denominação, logo a irmã que é investida do título pastoral tem de ter todos os direitos e deveres dos outros, por uma questão de, digamos, isonomia. Então, eu pergunto: agora, pertencer a Ordem é uma questão de forma apenas, logo, o que se tem a fazer?

Mas, o que não pode ser deixado de considerar é que estamos como Batistas quebrando o princípio do governo da igreja estar biblicamente resignado aos homens, isso em textos clássicos de Atos 20.28; I Timóteo 3.2; 5.17; Hebreus 13.7; além de nossa "Declaração Doutrinária" que aborda termos no masculino para as atribuições relacionadas ao governo da igreja (o negrito é meu):

XI- Ministério da Palavra
Todos os crentes foram chamados por Deus para a salvação, para o serviço cristão, para testemunhar de Jesus Cristo e promover o seu reino, na medida dos talentos e dos dons concedidos pelo Espírito Santo.1 Entretanto, Deus escolhe, chama e separa certos homens, de maneira especial para o serviço distinto, definido e singular do ministério da sua Palavra.2 O pregador da Palavra é um porta-voz de Deus entre os homens.3 Cabe-lhe missão semelhante àquela realizada pelos profetas do Velho Testamento e pelos apóstolos do Novo Testamento, tendo o próprio Jesus como exemplo e padrão supremo.4 A obra do porta-voz de Deus tem finalidade dupla: a de proclamar as Boas Novas aos perdidos e a de apascentar os salvos.5 Quando um homem convertido dá evidências de ter sido chamado e separado por Deus para esse ministério, e de possuir as qualificações estipuladas nas Escrituras para o seu exercício, cabe à igreja local a responsabilidade de separá-lo, formal e publicamente, em reconhecimento da vocação divina já existente e verificada em sua experiência cristã.6 Esse ato solene de consagração é consumado quando os membros de um presbitério ou concílio de pastores, convocados pela igreja, impõe as mãos sobre o vocacionado.7 O ministro da Palavra deve dedicar-se totalmente à obra para a qual foi chamado, dependendo em tudo do próprio Deus.8 O pregador do Evangelho deve viver do Evangelho.9 Às igrejas cabe a responsabilidade de cuidar e sustentar adequada e dignamente seus pastores.10
1 Mt 28.19,20; At 1.8; Rm 1.6,7; 8.28-30; Ef 4.1,4; 2Tm 1.9; Hb 9.15; 1Pe 1.15; Ap 17.14
2 Mc 3.13,14; Lc 1.2; At 6.1-4; 13.2,3; 26.16-18; Rm 1.1; 1Co 12.28; 2Co 2.17; Gl 1.15-17
3 Ex 4.11,12; Is 6.5-9; Jr 1.5-10; At 20.24-28
4 At 26.19,20; Jo 13.12-15; Ef 4.11-17
5 Mt 28.19,20; Jo 21.15-17; At 20.24-28; 1Co 1.21; Ef 4.12-16
6 At 13.1-3; 1Tm 3.1-7
7 At 13.3; 1Tm 4.14
8 At 6.1-4; 1Tm 4.11-16; 2Tm 2.3,4; 4.2,5; 1Pe 5.1-3
9 Mt 10.9,10; Lc 10.7; 1Co 9.13,14; 1Tm 5.17,18
10 2Co 8.1-7; Gl 6.6; Fp 4.14-18

Mas, me parece que tudo isso é negado com a decisão de algumas igrejas em consagrar mulheres ao ministério da Palavra. Logo, só tenho a lamentar, mas pelo quadro que vivemos, essa é uma causa perdida. Algumas soluções que eu vejo:

(1) Convivermos com esse "erro hermenêutico", mas pelo bem da causa de Deus mantermos nossa cooperação como Batistas e persistirmos na proclamação do evangelho para a salvação de milhões de pessoas no mundo que carecem de Jesus, e deixarmos que questões como essas, sejam de somenos importância;

(2) Pressionarmos nossa OPBB para que, mesmo com a inclusão das mulheres no seu rol, sejam feitos fóruns para o esclarecimento de que essa posição não representa a totalidade do pensamento batista, pois a Bíblia e a nossa Declaração tem sido sacrificada no "altar da modernidade e do politicamente correto";

(3) Orarmos por misericórdia à nossa Denominação e insistirmos no respeito mútuo. Embora eu respeite e considere minhas irmãs "pastoras", jamais as chamarei por este título!

É o que eu penso.

15 comentários:

Renato Vargens disse...

excelente reflexão Ezequias.

Abraços,

Renato Vargens

levi Carvalho disse...

Esse assunto foi discutido na Convenção da Assembleia Geral dos Batistas. Acontece que esse assunto já foi passado. Revogar essa questão, parece que vai ficar fora de ordem. Nada temos contra nossas irmãs, mas não há respaldo bíblico para essa aprovação. Temos cometido muitos erros na denominação batista, estamos indo de mal a pior.

Joversi disse...

Querido colega, que bom conhecer mais um desta espécie em extinção que é o pastor batista que respeita a sã doutrina. Parabéns!

Joversi disse...

Parabéns, colega, como é bom conhecer mais um pastor batista que leva a sério a sã doutrina. uma espécie em extinção.

Messias Santos disse...

Louvado seja Deus! vemos que não estamos só nessa causa! Parabéns, que Deus continue o usando!

Anônimo disse...

Respeito suas convicções pessoais, porém fico triste com sua interpretação e exegese dos textos.

Anônimo disse...

Sinceramente acho que em seu texto existem argumentos falhos para justificar o seu questionamento. Eu também não concordo com o título pastora ou pastor dado a um ser humano que não se preparou para esse cargo ( que não passou por um seminário). Se esta pessoa não se prepara diligentemente para o ministério da palavra não merece o título. Com relação ao seu argumento de que o ministro é apenas para homens, vale lembrar que o substantivo homem é genérico para designar homens e mulheres, por isso cabe uma leitura mais correta do texto bíblico. Além disso, analisando as escrituras, você verá que as mulheres tinham um papel importante no ministério de Jesus. Elas sustentavam o ministério e foram elas quem anunciaram a ressurreição.

Dinelcir Souza Lima disse...

Concordo com o irmão. O problema é que não se consegue pressionar nada em um congresso da OPBB, já que os que podem participar são uma minoria que não representa os pastores batistas do Brasil nem de longe.
Pr Dinelcir de Souza Lima

Ediel disse...

Qual problema pastor Ezequias? Estás a rever as decisões, às vêzes insanas que tomastes exatamente em 15 de Maio de 2012, quando chamou-nos, pastores Batistas Clássicos de ignorantes e faltos de sapiencia? Chamando o nosso amado e querido colega pstor Wagner de usurpador de um trono que nõa lhe pertence? Tolice o que estás a dissertar, ainda não se decidiu, está sobre o muro da incostância.

Um abração

Ediel Itaporanga - Se

JONAS LIMA DA SILVEIRA disse...

Prezado Pastor.
Me arrisco a dizer sem medo de errar que 99,9% dos membros das igrejas batistas brasileiras não conhecem o texto da "Declaração Doutrinária" e não há o menor interesse dos pastores em ensiná-las. Lutei por essa causa na minha igreja, inclusive reformatando a "Declaração" para facilitar o estudo (tenho a apostila), mas choveu no molhado. Creio que aí está a raiz do problema. Um abraço.

Sérgio Costa disse...

A paz de Cristo.
Não sou Batista, porém creio ser o melhor ensinamento bíblico que todos nós podemos ter acesso. Agora não concordo com o enunciado que o irmão fez em relação ao chamado das mulheres paraestarem à frente da Igreja, como PASTORA, pregando e ensinando homens a verdade sobre DEUS, JESUS CRISTO e a sua SALVAÇÃO.
Havia umtempo, e isto é notória para todos nós, que somente os homens eram contados em todos os efeitos da vida da sociedade e as mulheres, apesar de sua sempre influência, não passavam de nada, não serviam nem como números.
E este pensamento, verdadeiramente machista, prevaleceu e ainda, como abrange o texto, até aos dias atuais, porém houveram algumas mulheres que, se não fossem por suas decisões à frente dos homens, talvez, não estaríamos hoje pregando este Evangelho tão maravilhoso. A ainha Ester foiuma delas e para quebrar este domínio machista seulivro se encontra na nossa Bíblia Sagrada. Nos é necessário olhar o mundo com uma nova visão. Nos dias de hoje, muitos HOMENS, que se dizem dde DEUS, têm dado provas de que ser homem não é significado para estarà frente nem de uma alcatéia, o que dirá à frente de um povo chamado pelo nome de DEUS. Enquanto as MULHERES estão seguindo à frente em buscarem verdadeiramente a face do SENHOR. Que nós, HOMENS, venhamos entender o que verdadeiramente é ser CRISTÂO.
Graça e paz.

Sérgio Costa disse...

A paz de Cristo.
Não sou Batista, porém creio ser o melhor ensinamento bíblico que todos nós podemos ter acesso. Agora não concordo com o enunciado que o irmão fez em relação ao chamado das mulheres para estarem à frente da Igreja, como PASTORA, pregando e ensinando homens a verdade sobre DEUS, JESUS CRISTO e a sua SALVAÇÃO.
Havia umtempo, e isto é notória para todos nós, que somente os homens eram contados em todos os efeitos da vida da sociedade e as mulheres, apesar de sua sempre influência, não passavam de nada, não serviam nem como números.
E este pensamento, verdadeiramente machista, prevaleceu e ainda, como abrange o texto, até aos dias atuais, porém houveram algumas mulheres que, se não fossem por suas decisões à frente dos homens, talvez, não estaríamos hoje pregando este Evangelho tão maravilhoso. A ainha Ester foiuma delas e para quebrar este domínio machista seulivro se encontra na nossa Bíblia Sagrada. Nos é necessário olhar o mundo com uma nova visão. Nos dias de hoje, muitos HOMENS, que se dizem dde DEUS, têm dado provas de que ser homem não é significado para estarà frente nem de uma alcatéia, o que dirá à frente de um povo chamado pelo nome de DEUS. Enquanto as MULHERES estão seguindo à frente em buscarem verdadeiramente a face do SENHOR. Que nós, HOMENS, venhamos entender o que verdadeiramente é ser CRISTÂO.
Graça e paz.

Vanderley Borges disse...

Não participo de uma igreja ligada à CBB ou a qualquer outra instituição denominacional, porém sou batista. Conheço bons pastores de igrejas convencionais. Pr. Dinelcir é um deles, a exemplo do seu pai. Pr. Gunter Carlos é meu modelo de pastor, sem nunca ter sido sua ovelha. Conheço bem os "caminhos" que a CBB e suas organizações estão trilhando de a muito tempo.
O tema pastorado feminino é o que vai dar, digamos, mais pano pra a manga nos próximos dias e ao final, vão aceitar mulheres no pastorado ainda que, alguns, coloquem uma restrição aqui outra ali, como o articulista menciona ao final de sua reflexão sobre o tema, deixando três vertentes possíveis.
O tema, analisado biblicamente, não deixa margem para a ordenação de mulheres ao pastorado. Além dos textos e ponderações feitas pelo escritor, quero acrescentar mais algumas, que, inclusive, poderão elucidar a posição contrária defendida pelo autor no início de seu texto.
1) Deus entregou a liderança espiritual da famílias a homens. Nos três primeiros capítulos de Gênesis, nos quais lemos sobre a criação, a formação do homem e da mulher e a queda do primeiro casal, vemos Deus entregando a Adão o dever de guiar sua esposa na presença de Deus. Adão falhou, Eva cometeu pecado e levou seu marido a pecar. Porém, Deus puniu ao homem de forma mais severa. O homem não teve participação da semente do Messias. Jesus nasceu da semente da mulher por obra do Espírito Santo. Em Dt. 6:7, vemos a ordem aos pais (masculino), para ensinarem seus filhos à cerca das coisas espirituais.
2) Na instituição do culto judaico, foram escolhidos sacerdotes (masculinos) da Tribo de Levi. Levítico 8, mostra a consagração de Arão e seus filhos para cuidar do culto e dos sacrifícios veterotestamentário. Mulheres os ajudaram, tiverão outras funções como juizas, rainhas... Foram usadas por Deus, mas nenhuma fora sacerdotisa.
3) Jesus instituiu um grupo formado por homens. Durante seu ministério terreno, Jesus tomou 12 homens e os preparou de maneira especial. Tal grupo contou com o apoio de mulheres, porém, nenhuma se contou entre os 12 discípulos e mais tarde entre os 12 apóstolos com a substituição de Judas por Paulo.
4) Nos textos clássicos citados pelo autor e, a eles, somado o de Tito 1:5-9, vemos as necessidades pessoais para a qualificação ao pastorado e diaconato de uma igreja.
Em nenhum texto bíblico Há margem para a ordenação de mulheres ao pastorado e sim para que mulheres cheias de virtudes sejam usadas em outras áreas e ministérios para a expansão do Reino aqui na terra.
Argumentos de que os tempos mudaram, não devem ser levados em conta porque as mudanças são do mundo. Creio em um Deus imutável e O sigo, guiado por Sua imutável Palavra - a Bíblia.
O grande problema é que os batista estão "desbatistando", como diz o Pr. Ebenézer da Silva Rodrigues, diretor do Seminário Bíblico Missionário em Cidade Ademar, São Paulo Capital. A melhor saída para os batistas que não querem se "debastistar", seria considerar a real necessidade de uma Ordem de Pastores ou de uma Convenção. Ogãos podem existir, mas não são necessários e tornam nocivos quando começam a agir acima da igreja. É possível ser batista, sem se prender a homens ou estruturas. Quando descobri tal possibilidade, fui auxiliado, e muito, pelo Pr. Romulo Weden. Em alguma conversa lhe perguntei: "suas igrejas são independentes. O qua acontece quando alguma igreja desvia das sãs doutrinas bíblicas?". Ele de forma segura me respondeu: "nada. Ela é uma outra igreja. Apenas deixamos de manter comunhão com ela". A partir dali, tenho servido a Deus respeitando aqueles que pensam e agem diferentes de mim. Porém, reservo-me o direito de manter comunhão com os que continuam firmes na Palavra de Deus.
Fiquem em paz

Paulo César Valle disse...

Boa palavra, Ezequias.

Abs.

Paulo César Valle disse...

Boa palavra, Ezequias.

Abs.