sexta-feira, 14 de setembro de 2012

OS CATÓLICOS PRECISAM DE JESUS!

Escrevi esse texto para a "pastoral" de nosso boletim dominical, mas me ocorreu de que ele fosse útil para reflexão dos leitores desse meu modesto espaço de meditações. Quero referir-me ao fato de que, infelizmente há alguns evangélicos aliançando-se com o catolicismo no julgamento infantil de que eles são cristãos, e com isso acabam em contato estreito com uma das piores manifestações do espírito debochado do Anticristo. Afinal de contas, vemos em Apocalípse 13.11-18 quando o apóstolo João visualiza e registra acerca da besta que sobe "de dentro" da terra, que veria a ser o falso profeta, o grande propagandista do anticristo, uma espécie de "mestre de cerimônias".

E numa parte do registro, o apóstolo comenta que uma das medidas propostas do "falso profeta" no período que viveremos que será chamado de "grande tribulação" será justamente a disseminação da idolatria no culto cristão. Repare comigo:

E, operava grandes sinais, de maneira que fazia até descer fogo do céu à terra, à vista do homens; e, por meio dos sinais que lhe foi permitido fazer na presença da besta, enganava os que habitavam sobre a terra e lhes dizia que fizessem uma imagem à besta que recebera a ferida da espada e vivia. (Apocalipse 13.13,14)

Parece-me que há em nossos dias uma simpatia perigosa de crentes com o catolicismo. Recentemente uma cantora evangélica dividiu o palco com um padre cantor, e está sendo bem comum em algumas denominações antes tão reservadas uma certa complacência com o catolicismo. Sem contar que, em alguns jovens de nossas igrejas é comum vermos posturas a respeito de seus cantores e bandas prediletos no nível de verdadeira "idolatria". O que a Bíblia diz a respeito disso:
 
Não sabeis que os injustos não hão de herdar o reino de Deus? Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus. (I Coríntios 6:9-10)
Mas, quanto aos tímidos, e aos incrédulos, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos fornicadores, e aos feiticeiros, e aos idólatras e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre; o que é a segunda morte. (Apocalipse 21:8)
Bem-aventurados aqueles que guardam os seus mandamentos, para que tenham direito à árvore da vida, e possam entrar na cidade pelas portas. Ficarão de fora os cães e os feiticeiros, e os que se prostituem, e os homicidas, e os idólatras, e qualquer que ama e comete a mentira. (Apocalipse 22:14-15)

Deus sempre espera “algo mais” de seus filhos! Vez por outra pensamos equivocadamente que chegamos ao nosso máximo, e quando isso acontece, vem o Senhor e nos diz: “você pode fazer algo mais”! Isso encanta o nosso coração: servimos a um Deus que vive nos surpreendendo!

Quando olhamos para os desafios evangelísticos em nossa volta, confesso, pensamos estarmos muito aquém de tudo isso, afinal de contas, de todos os lados vemos crianças carentes, jovens perdidos e adultos confusos, mas por conta desses clamores vindo de pessoas “envolvidas em densas trevas” é que justifica o nosso desafio de sermos luz!

A nossa luz precisa brilhar para servir de referência às pessoas sem Jesus de que há esperança para quaisquer dramas que eles estejam vivendo. Jesus não é meramente um “resolvedor de problemas”, ele é aquele que dá dignidade e sentido à existência humana! As pessoas tem conceitos muito equivocados a respeito de Jesus, isso porque quando se está em trevas não se enxerga direito onde se está caminhando, foi o próprio Jesus que disse: “quem anda nas trevas não sabe para onde vai”, (João 12.35).

O Brasil vive às voltas com o catolicismo que na minha ótica é uma das expressas vivas do “espírito do Anticristo” que encontramos na Bíblia. E digo isso porque essa religião tem um líder supremo (Papa) comprometido com a mentira do poder intercessor de Maria e com a idolatria que vem a ser justamente o culto à criatura ao invés do Criador! Não podemos tolerar qualquer união com o catolicismo porque em fazendo isso, teríamos de desobedecer francamente o que a Palavra de Deus (dentre tantos outros versos) diz em I Coríntios 7.4: “sabemos que o ídolo nada é no mundo, e que não há outro Deus, senão um só”.

Temos de iluminar os católicos com a luz de Cristo, mostrando-os o quanto eles estão cegos por um sistema escravizante que vem se enriquecendo ao longo da história da humanidade com base na ignorância de pessoas que se tornam presas de suas superstições e crendices populares! Engana-se quem pensa no catolicismo com cautela, julgando-o como uma igreja cristã, pois na realidade Jesus para o católico é apenas um pretexto para chegar-se a quem na ótica cega da instituição na realidade resolve as pendências entre os homens e Deus: Maria e os santos. Poderia parafrasear o tema de uma outra campanha missionária: “Católicos, eles também precisam da Graça do Pai”!

Aos católicos, façamos brilhar a luz de Cristo!

3 comentários:

Anônimo disse...

Interessate, vou postar no site que criei: "compartilhando idéias e Teologia" Posso?
Um abraço!

Thiago Sena disse...

Pastor, interessante, porem parcial.
A doutrina pode não ser perfeita, mas Cristo nos esclarece no livro do evangelho segundo João 13.34"Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis." ao advertir isso nosso senhor exalta o amor como uma virtude e uma evidencia de que somos seus discípulos.
Tendo o amor como parâmetro, vemos que o apostolo Paulo “embaixador em cadeias” de Cristo, divinamente inspirado deixa por doutrina e ensinamento a “Suprema excelência da caridade”, leia-se a incomparável virtude do amor.
O apostolo deixou em 1 aos Coríntios 13.8 “O amor nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá; ” demonstrando assim a precisão, a eficiência, a eficácia e a superioridade do amor que além disso ainda em 1 aos Coríntios 13.13 “Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor.” Fica clara a necessidade do amor para que possamos alcançar a salvação de nossas almas.
Ao crente em Jesus Cristo, aproximar-se de alguém que professe outra fé é a oportunidade de através do amor de DEUS em nós, evangelizarmos almas de outros apriscos, mostrando a perfeição de suas doutrinas e ensinamentos.
Não só os católicos, mas todos aqueles que por algum motivo não conheceram a Jesus Cristo, devemos anunciar a graça de DEUS e sua misericórdia, não só em palavras, mas com nossas vidas consagradas em servir a nosso senhor DEUS.

Thiago Sena disse...

Pastor, interessante, porem parcial.
A doutrina pode não ser perfeita, mas Cristo nos esclarece no livro do evangelho segundo João 13.34"Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis." ao advertir isso nosso senhor exalta o amor como uma virtude e uma evidencia de que somos seus discípulos.
Tendo o amor como parâmetro, vemos que o apostolo Paulo “embaixador em cadeias” de Cristo, divinamente inspirado deixa por doutrina e ensinamento a “Suprema excelência da caridade”, leia-se a incomparável virtude do amor.
O apostolo deixou em 1 aos Coríntios 13.8 “O amor nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá; ” demonstrando assim a precisão, a eficiência, a eficácia e a superioridade do amor que além disso ainda em 1 aos Coríntios 13.13 “Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor.” Fica clara a necessidade do amor para que possamos alcançar a salvação de nossas almas.
Ao crente em Jesus Cristo, aproximar-se de alguém que professe outra fé é a oportunidade de através do amor de DEUS em nós, evangelizarmos almas de outros apriscos, mostrando a perfeição de suas doutrinas e ensinamentos.
Não só os católicos, mas todos aqueles que por algum motivo não conheceram a Jesus Cristo, devemos anunciar a graça de DEUS e sua misericórdia, não só em palavras, mas com nossas vidas consagradas em servir a nosso senhor DEUS.