sexta-feira, 24 de junho de 2011

MINHA OPINIÃO SOBRE O "DOM DE LINGUAS".

O dom de línguas é considerado o menor de todos os dons. Em apenas uma relação de dons ele está presente (I Coríntios 12.10) e está em último lugar. Quando o apóstolo Paulo argumenta acerca do absurdo que era o entendimento dos coríntios de que todos eram obrigados a falar em línguas, numa demonstração caquética de espiritualidade, ele lança perguntas retóricas (cujas respostas são todas “não” e estão implícitas): “porventura são todos apóstolos? são todos profetas? são todos mestres? são todos operadores de milagres? todos tem dons de curar? falam todos em línguas? interpretam todos?”


Parece-me muito claro que o apostolo aqui está querendo dizer que assim como nem todos são apóstolos, mestres, curadores, e milagreiros, obviamente nem todos falam línguas espirituais e interpretam! Ele aqui coloca o dom de línguas que era o mais buscado, como o menos considerado! Vou me ater aqui a algumas considerações do maior evangelista de todos os tempos, pr. Billy Graham a respeito desse tema:

“Provavelmente os dons de sinais- curas, milagres e línguas- no primeiro século atraíram tanta atenção como hoje em dia. Também causaram confusão e abusos como hoje. Mesmo assim Deus- Espírito Santo os concedeu a alguns na Igreja, para serem usados para Sua glória. Eles nunca devem ser explorados com motivos egoístas nem se tornar razão para orgulho ou divisões. Não devemos ficar preocupados ou obcecados por eles e, acima de tudo, quando estes dons são concedidos eles devem ser usados estritamente de acordo com os princípios que Deus estabeleceu na Bíblia. E isto deve contribuir para a unidade do Espírito. Se Deus decide conceder estes dons a algumas pessoas hoje em dia, devemos sempre orar para que eles sejam usados “para o proveito comum” (I Coríntios 12.7), e para espalhar o reino de Deus”.

Logo fica fácil concluir que a evidência suprema do batismo com o Espírito Santo não é o falar em outras línguas, numa falsa demonstração de espiritualidade, mas sim é a presença do fruto do Espírito na vida do crente, a saber: “o amor, o gozo, a paz, a longanimidade, a benignidade, a bondade, a fidelidade, a mansidão, o domínio próprio; contra estas coisas não há lei”. (Gálatas 5.22)

É o que eu creio e ensino.

3 comentários:

Oswaldo Brisola Soares disse...

Não concordo como falar em línguas ser fruto de batismo do Espírito Santo. É tão banal essa afirmativa, que até os Católicos carismáticos afirmam falar em línguas. A pouco tempo atrás vi algures, que um frei no Rio, dava aulas para ser batizado e receber o dom de línguas.

Blog-Bem disse...

Presado companheiro, estou feliz em ter você visitando meu Blog, quero desde já te agradecer. Quero te dizer que far em linguás é informar que na verdade é Batizado no Espirito Santo, pois é a maneira de se identificar; pois Batismo no Espirito Santo é revestimento de poder. O VERDADEIRO FALAR EM LÍNGUAS (I)Á linguais como manifestação do Espírito, Falar noutras linguais é uma manifestação sobrenatural do Espírito Santo, i. e,.Uma expressão vocal inspirada pelo Espírito, mediante a qual o crente fala numa língua (gr, glossa)que nunca aprendeu(At 2.4; 1ªCo 14.14.15)Estas línguas podem ser humanas, i,e,.atualmente falada (At 2.6)ou desconhecida na Terra (1 Co 13.1)Não é "fala extática" ,como algumas traduções afirmam, pois a Bíblia nunca se refere se refere à expressão vocal extática para referir-se ao falar noutras línguas pelo Espírito.
As línguas como dom. Falar noutras línguas também é descrito como um dos dons concedido ao crente pelo Espírito Santo (1 Co 12. 4-10). Portanto o dom de falar em línguas é muito importante como qualquer um outro dom.Ev. deoclécio.

Blog-Bem disse...

Presado companheiro, estou feliz em ter você visitando meu Blog, quero desde já te agradecer. Quero te dizer que far em linguás é informar que na verdade é Batizado no Espirito Santo, pois é a maneira de se identificar; pois Batismo no Espirito Santo é revestimento de poder. O VERDADEIRO FALAR EM LÍNGUAS (I)Á linguais como manifestação do Espírito, Falar noutras linguais é uma manifestação sobrenatural do Espírito Santo, i. e,.Uma expressão vocal inspirada pelo Espírito, mediante a qual o crente fala numa língua (gr, glossa)que nunca aprendeu(At 2.4; 1ªCo 14.14.15)Estas línguas podem ser humanas, i,e,.atualmente falada (At 2.6)ou desconhecida na Terra (1 Co 13.1)Não é "fala extática" ,como algumas traduções afirmam, pois a Bíblia nunca se refere se refere à expressão vocal extática para referir-se ao falar noutras línguas pelo Espírito.
As línguas como dom. Falar noutras línguas também é descrito como um dos dons concedido ao crente pelo Espírito Santo (1 Co 12. 4-10). Portanto o dom de falar em línguas é muito importante como qualquer um outro dom.Ev. deoclécio.